Melhor contraceptivo durante a lactação: como escolher?

Melhor contraceptivo durante a amamentação: como escolher?
Spread the love

Após a entrega é recomendado iniciar um método contraceptivo, como progesterona, camisinha ou DIU, para evitar uma gravidez indesejada e permitir que o corpo se recupere totalmente da gravidez anterior, especialmente durante os primeiros 6 meses.

A alimentação do bebê é um método contraceptivo natural, mas apenas quando o bebê está em uma única lactação materna e várias vezes até o dia, já que a sucção da produção do bebê e do leite aumenta a quantidade de progesterona, que é um hormônio que previne a ovulação. No entanto, este não é um método muito eficaz, já que muitas mulheres acabam ficando grávidas neste período. 

Portanto, os métodos recomendados de contracepção para mulheres amamentando são:

1. Anticoncepcionais orais ou injetáveis

O contraceptivo que pode ser usado durante este período é aquele que contém apenas progesterona, tanto para injeção, como comprimido, também chamado minipilula. Esse método deve começar 15 dias após a entrega, e ficar até que o bebê passe amamentando apenas 1 ou 2 vezes por dia, que é de cerca de 9 meses a 1 ano, e depois mudando para o convencional 2-contraceptivo hormonal.

O minipilo é um método que pode falhar, portanto, o ideal é que se combine outro método, como o preservativo, para garantir a segurança. Tire de perto outras dúvidas sobre o uso de contraceptivo em lactação.

2. Implantação subcutânea

Implante de progesterona é uma pequena vareta que é inserida sob a pele, que aos poucos libera a quantidade de hormônio diário necessária para inibir a ovulação. Como contém apenas progesterona em sua composição, ela pode ser usada com segurança por mulheres amamentando. 

Sua aplicação é realizada sob anestesia local, em um processo de poucos minutos, na área do braço, onde pode ficar até 3 anos, mas pode ser removida a qualquer momento que a mulher quiser. 

3. DIU

O DIU é um método contraceptivo muito eficaz e prático, já que você não precisa se lembrar de quando usar. O DIU também pode ser usado com hormônio, pois libera apenas pequenas doses de progesterona no útero.

Ele é inserido no consultório do ginecologista, aproximadamente 6 semanas após a entrega, podendo durar até 10 anos, no caso do cobre DIU e 5 por 7 anos, no caso de DIU hormonal, mas pode ser revogado a qualquer momento que a mulher desejar. 

4. Camisinhas

O uso de preservativos, arsênico ou feminino é uma boa alternativa para as mulheres que não querem usar hormônios, que, além de prevenir a gravidez, também protegem a mulher da doença. 

É um método seguro e eficaz, mas é importante avaliar a validade da camisinha e que é a partir de um sinal aprovado pelo INMETRO, que é o instrumento que controla a qualidade do produto. Veja outros erros que podem ser feitos no momento do uso da camisinha

5. Diafragma ou anel atrial

É um pequeno anel flexível, feito de látex ou silicone, que pode ser colocado pela mulher antes do contato íntimo, impedindo que o esperma chegue até o útero. Este método não protege de doenças sexualmente transmissías, e para prevenir a gravidez, só pode ser retirado de 8 24 horas após a relação. 

Os métodos físicos de contracepção

métodos de contracepção conhecidos como naturais, como o intermitente bastante, o método tabelle ou o controle de temperatura não devem ser usados, pois são muito ineficientes e podem causar gravidez indesejada. Em caso de dúvida, é possível falar com o ginecologista para combinar com o melhor método para as necessidades de toda mulher, evitando assim uma gravidez indesejada.

Author: admin