• seg. maio 23rd, 2022

Com Saber e Saúde

Dicas de Saude – dietas – regimes – alimentaçao

Delirium tremens: o que é, sintomas, causas e tratamento

Byadmin

ago 25, 2021
Delirium tremens: o que é, sintomas, causas e tratamento
Spread the love

Delirium tremens é um estado de confusão mental que surge abruptamente e que pode causa alterações em várias áreas, incluindo consciência, atenção, memória, pensamento e orientação, resultando em comportamentos que costuma alternar entre sonolência excessiva e agitação.

Também conhecido como “estado confusional agudo”, o delirium tremens está relacionado a alterações na atividade do cérebro, e costuma afetar, principalmente, idosos internados ou com algum tipo de demência, como a doença de Alzheimer; ou pessoas em abstinência de álcool ou drogas, apesar da sua causa exata ainda não estar esclarecida.

Na maior parte das vezes, o delirium tremens é uma situação temporária que pode ser revertida com o correto tratamento, que pode incluir apenas corrigir os fatores que estão desencadeando esta situação, como tratar uma infecção, ajustar a medicação, organizar o ambiente ou regularizar o sono, por exemplo. Já nos casos mais graves, o médico também poderá indicar o uso de medicamentos antipsicóticos.

Principais sintomas

Os principais sintomas que podem indicar delirium tremens são:

  • Desatenção e agitação;
  • Sonolência ou apatia;
  • Incapacidade de obedecer a comandos;
  • Inversão do ciclo sono-vigília, em que se permanece acordado durante a noite e sonolento durante o dia;
  • Desorientação;
  • Não reconhecer familiares ou pessoas conhecidas;
  • Alterações da memória, mesmo para relembrar palavras;
  • Irritabilidade e raiva frequente;
  • Mudanças repentinas de humor;
  • Alucinações;
  • Ansiedade.

Uma importante característica do delirium tremens é o seu aparecimento rápido, de uma hora para outra, e, além disso, tem um curso flutuante, ou seja, varia entre momentos de normalidade, agitação ou sonolência ao longo de um mesmo dia.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico do delirium pode ser confirmado pelo médico, através do uso de questionários como o Confusion Assessment Method (CAM), que indica que as características fundamentais:

  • alteração aguda do estado mental;
  • diminuição marcante da atenção;
  • alteração do nível de consciência (agitação ou sonolência);
  • pensamento desorganizado.
  • Segundo este questionário, considera-se delirium tremens na presença dos itens 1 e 2 + 3 e/ou 4.

    É importante lembrar que o delirium tremens é diferente de “Delírio”, pois este significa uma alteração psiquiátrica caracterizada pela formação de um juízo falso sobre algo, em que a pessoa tem uma convicção de algo impossível. Além disso, diferente do delirium, o delírio não tem causa orgânica e não provoca alterações de atenção ou consciência.

    Entenda melhor o que é o delírio e como identificar.

    O que pode causar delirium tremens

    Os principais fatores de risco para o desenvolvimento do delirium incluem:

    • Idade maior que 65 anos;
    • Ter algum tipo de demência, como pela doença de Alzheimer ou demência por corpos de Lewy, por exemplo;
    • Uso de certos medicamentos, como sedativos, soníferos, anfetamina, anti-histamínicos ou alguns antibióticos, por exemplo;
    • Estar hospitalizado;
    • Ter passado por uma cirurgia;
    • Desnutrição;
    • Desidratação;
    • Abuso de álcool ou drogas;
    • Restrição física, como estar acamado;
    • Uso de muitos medicamentos;
    • Privação do sono;
    • Mudança de ambiente;
    • Ter alguma doença física, como infecção, insuficiência cardíaca ou dor rins, por exemplo.

    Em idosos, o delirium tremens pode ser a única manifestação de alguma doença grave, como pneumonia, infecção urinária, infarto, AVC ou alterações de eletrólitos do sangue, por exemplo, por isso sempre que surgir deve ser rapidamente avaliada pelo médico geriatra ou clínico geral.

    Como é feito o tratamento

    A principal forma de tratar o delirium é através de estratégias que ajudem a orientar a pessoa, como permitir o contato com familiares durante a internação, manter a pessoa orientada em relação ao tempo, fazendo-a ter acesso ao calendário e relógio, e manter um ambiente calmo, principalmente durante à noite, para permitir um sono tranquilo.

    Estas estratégias estimulam o retorno à consciência e a melhoria do comportamento. Além disso, os idosos que utilizam óculos ou aparelhos auditivos devem ter acesso a eles, evitando que tenha dificuldades de compreensão e comunicação. Confira mais orientações sobre o que fazer para conviver melhor com o idoso com confusão mental.

    O uso de medicamentos também pode ser indicado pelo médico, mas deve ser reservado para pacientes com agitação importante, representando um risco à sua própria segurança ou dos outros. O remédios mais utilizados são os antipsicóticos, como haloperidol, risperidona, quetiapina, olanzapina ou clozapina, por exemplo. Já em casos de delirium causado por abstinência ao álcool ou drogas ilícitas, é indicado o uso de medicamentos sedativos, como diazepam, clonazepam ou lorazepam, por exemplo.