Imagem representativa do vídeo
Imagem representativa do vídeo

COVID-19 Vacina: como funciona, eficácia e efeitos colaterais

Spread the love

Muitas vacinas contra o COVID-19 estão sendo estudadas e desenvolvidas em todo o mundo para tentar combater a pandemia causada pelo novo legista. Até o momento, apenas a vacina da Pfizer é aprovada pela OMS, mas muitas outras estão no processo de avaliação.

As 6 vacinas que demonstraram os resultados mais promissores são:

  • Pfizer e BioNTech (BNT162): 90% efetividade em estudos de fase 3;
  • Moderna (mRNA-1273): a vacina americana mostrou uma eficácia de 94,5% em estudos de fase 3;
  • Gamaleya Research Institute (Sputnik V): Vacina russa apresentou eficácia 91,6% vs COVID-19;
  • AstraZeneca e Universidade de Oxford (AZD1222): a vacina inglesa está em fase 3 estudos e uma fase inicial foi efetivada 70,4%,
  • Sinovac (Coronavac): a vacina chinesa desenvolvida em colaboração com o Instituto Butantan apresentou uma taxa de eficácia de 78% para os casos leves e 100% para infecções leves e graves;
  • Johnson & Johnson (JNJ-78436735): A vacina norte-americana parece apresentar taxas de eficácia que variam de 66 a 85%, uma vez que esta taxa varia de acordo com o país onde aplicável.

Outras vacinas, como NVX-CoV2373, da Novavax, até Ad5-nCoV, de CanSino ou Covaxin, da Bharat Biotech, também estão na fase 3 do estudo, mas ainda não têm resultados publicados.

Dr. Esper Kallas, Infecciosa e Professor Titular do Departamento de Infecções FMUSP e Parasitas da FMUSP esclarece principais dúvidas sobre Vacinação:

Como as vacinas COVID-19

Vacinas contra COVID-19 foram desenvolvidas com base em 3 tipos de tecnologia:

  • tecnologia messenger: é uma tecnologia mais utilizada na produção de vacinas para animais e ela causa células de corpo saudável para produzir a mesma proteína utilizada pela artéria coronária para entrar nas células. Dessa forma, o sistema imunológico é obrigado a produzir anticorpos que, durante uma infecção, pode neutralizar a proteína da doença da artéria coronária real e prevenir o crescimento da infecção. Esta é a tecnologia usada na Pfizer e vacinas modernas.
  • Use adenovírus modificados: consiste no uso de adenovírus, que é inofensivo ao corpo humano, e para modificá-los geneticamente para que eles ajam de forma semelhante ao corpo dos cornos, mas sem risco para a saúde. Isso faz com que o sistema imunológico se treine e produza anticorpos capazes de eliminar o vírus caso a infecção ocorra. Esta é a tecnologia por trás das vacinas da Astrazeneca, Sputnik V e da vacina Johnson & Johnson?
  • Utilização da doença arterial coronariana inativada: usa uma forma inativada da nova doença da artéria coronária que não causa infecção, nem problemas de saúde, mas permite que o corpo produza os anticorpos necessários para combater o vírus.

Todas essas formas de operação são teoricamente eficazes e já estão operando na produção de vacinas para outras doenças. Confira as dúvidas mais comuns sobre a vacina COVID-19.

Pode a vacina ser administrada pelo nariz?

Algumas entidades, como a Universidade de Oxford, estão fazendo testes para desenvolver vacina contra o COVID-19 que pode ser administrado através do nariz. No entanto, essa vacina é diferente da vacina aplicada ao músculo, não funcionando da mesma maneira.

A vacina nasal estimula a produção de um tipo diferente de anticorpos, conhecido como imunoglobulina A, que parece ser capaz de reduzir o risco de infecção no nariz, que é a principal artéria coronária do corpo, exceto para reduzir o risco de transmissão do vírus. Atualmente, existe apenas uma vacina nasal, que é dada contra a gripe comum e é produzida pelos laboratórios da AstraZeneca.

Embora a vacina nasal seja mais confortável e possa até mesmo ser tratada em casa, através de um simples spray nasal, é mais difícil desenvolver, em comparação com uma vacina “normal”, e por isso requer vários testes para garantir sua eficácia e segurança.

Como é a eficácia da vacina calculada?

A eficácia de cada vacina Calculada com base no número de pessoas que desenvolveram a infecção e que foram efetivamente vacinados, em comparação com aqueles que não foram vacinados e que receberam um placebo.

Por exemplo, no caso da vacina da Pfizer, 44.000 pessoas foram estudadas e por este grupo, apenas 94 resultaram em desenvolvimento COVID-19. Destes 94, 9% eram sujeitos que haviam sido vacinados, enquanto os 85% restantes eram sujeitos que haviam recebido placebo e, portanto, não receberam a vacina. De acordo com esses valores, a taxa de eficácia é de cerca de 90%.

Best entender o que é um placebo e o que é para.

É a vacina eficaz contra novas variantes do vírus?

De acordo com um estudo realizado com a vacina Pfizer e BioNTech [3], os anticorpos estimulados pela vacina mostraram que eles permanecem efetivos contra as novas variantes da mutação coronal, ambas no Reino Unido.

adição, o estudo deve permanecer efetivo para outras 15 mutações possíveis do vírus.

Quanto tempo leva para entrar em vigor?

O efeito protetor da vacina COVID-19 pode demorar algumas semanas, já que o corpo precisa de tempo para produzir anticorpos que irão garantir imunidade contra a infecção. Além disso, no caso de vacinas que precisam de 2 doses, a proteção é garantida apenas de 2 3 semanas após a segunda dose.

Como a vacinação é realizada

A vacinação é realizada e distribuída pela população varia entre cada país. Para o Desta forma, para saber quem tem prioridade durante a vacina é importante permanecer no plano de vacinação estabelecido pelo Ministério da Saúde:

plano de vacinação no Brasil

No plano originalmente publicado pelo Ministério da Saúde [1], a vacinação será dividida em 4 fases para atingir os principais grupos prioritários, no entanto, atualizações adicionais mostram que a vacinação pode ser feita em três fases prioritárias:

  • Fase: serão vacinados trabalhadores da saúde, pessoas acima de 75, populações nativas e pessoas com mais de 60 anos que vivem em instituições;
  • fase: pessoas acima de 60 anos serão vacinadas;
  • fase 3H: pessoas com outras doenças aumentam o risco de infecção grave com COVID-19, como diabetes, hipertensão, nefropatia, inter alia;

Seguindo a vacinação de grandes grupos de risco, a vacinação contra COVID-19 estará disponível para o restante da população.

As vacinas aprovadas para o uso emergencial da Anvisa estão em Coronavac, que é produzido por IButantan em colaboração com o Sinovac, e a vacina produzida pelo laboratório da AstraZeneca em colaboração com a Fiocruz.

plano de vacinação em Portugal

O plano de vacinação em Portugal[2] é dividido em 3 fases de vacinação:

    : Trabalhadores em saúde, unidades de enfermagem e unidades de atendimento, forças armadas, forças de segurança e pessoas com mais de 50 anos de idade e com outras doenças associadas;
  • Fase 2ª: pessoas com mais de 65 anos de idade,
  • fase 3H: resto da população.

A vacina será distribuída gratuitamente para centros de saúde e vacinas do SNS.

Como saber se você pertence a um grupo de risco

Para descobrir se você pertence a um grupo com maior risco Ocorrência de complicações graves a partir de COVID-19, resposta a este teste online:

  • 4
  • 8
  • 9
  • 10
  • 10
  • Iniciar o teste <img data-el = "#quiz-6080e24701f2d"

    src=”https: static.tuasaude.com/media/widget/ue/xw/600838da11e09/l.jpg ” Alt=”fotos Em foto do questionário i”> Imagem ilustrativa da questãoSexo:

    • masculino
    • feminino

    Imagem ilustrativa da questãoIdade: Next Peso: Próximo Imagem ilustrativa da questãoAltura: Em metros. Próximo Imagem ilustrativa da questãoVocê tem alguma doença crônica?

    • Não
    • Diabetes
    • Hipertensão
    • Câncer
    • Doença Cardíaca
    • Outras

    Imagem ilustrativa da questãoTem Doenças Que Afetam o Sistema Immunopoético?

    • Não
    • Lúpus
    • Esclerose Múltipla
    • Anemia Falciforme
    • HIV/AIDS
    • Outro

    Imagem ilustrativa da questãoTem síndrome de Down?

    • Sim
    • Não

    É fumante?

    • Sim
    • Não

    Imagem ilustrativa da questãoVocê tinha um transplante?

    • Sim
    • Não

    Uses controladas medidas corretivas;

    • Não
    • Corticosteroides, tais como Prednisolone
    • Imunosuppressants tais como cyclosporina
    • Outro

    Anterior

    É importante lembrar que este teste indica o risco potencial de desenvolver complicações graves, se infectadas pelo COVID-19, e não o risco de captura do doença. Isso porque o risco de pegar a doença não é aumentado devido à história pessoal da saúde, que está relacionada apenas aos hábitos cotidianos, como manter a remoção social, mãos não lavadoras ou não uso de máscaras de proteção pessoal.

    Confira tudo o que você pode fazer para reduzir o risco de captura COVID-19.

    Quem já tem COVID-19 pode obter a vacina?

    A orientação é que todas as pessoas possam ser vacinadas com segurança, Tendo ou não uma infecção anterior a partir de COVID-19. Enquanto os estudos mostram que o organismo desenvolve defesas naturais contra o vírus por pelo menos 90 dias, outros estudos também sugerem que a imunidade fornecida com a vacina é até 3 vezes maior.

    A imunidade total da vacina é considerada ativa somente após a administração de todas as doses da vacina.

    Em qualquer caso, após a vacinação ou infecção prévia de COVID-19, recomenda-se continuar a adotar as medidas de proteção individual, como danos à máscara, lavagem de mão frequente e dilatação social.

    É seguro reunir o COVID e a vacina contra a gripe?

    Ainda não se sabe quais são os efeitos do recebimento do COVID e da gripe, por esta razão recomenda-se que o período mínimo de 15 dias seja respeitado.

    O Ministério da Saúde brasileiro também recomenda que a vacinação contra COVID-19 tenha prioridade se os grupos prioritários forem convidados a fazer ambas as vacinas durante o mesmo período. Assim, a vacina deve ser testada pela primeira vez contra o COVID-19 e somente após a vacina contra a gripe. Confira fora outras dúvidas sobre a vacina contra a gripe.

    No caso das vacinas COVID-19 que requerem 2 doses a menos de 1 por mês, como é o caso da vacina da Pfizer ou com o Coronavac, deve-se primeiro fazer as duas doses dessa vacina, e só então receber a vacina contra a gripe, respeitando a dose de 2 semanas da dose.

    Já vacinas que necessem de um intervalo de dose maior, já que com a vacina AstraZeneca, a vacina contra a gripe pode ser administrada entre 2 doses, se o período de 2 semanas a partir da dose da vacina for respeitado. Em COVID-19.

    Possíveis efeitos colaterais

    Ainda não se sabe os possíveis efeitos colaterais de todas as vacinas produzidas contra o COVID-19. No entanto, de acordo com os estudos realizados com as vacinas produzidas com as vacinas produzidas pela Pfizer-BioNTech e pelo laboratório Moderna, estes resultados parecem incluir:

    • Dor no local da injeção,
    • Fadiga de Excesso,
    • Da cabeça do músculo,
    • Do músculo,
    • Do músculo e calafrios,
    • Dor nas articulações.

    Esses efeitos colaterais são semelhantes aos de muitas outras vacinas, incluindo a vacina da gripe comum, por exemplo.

    Como o número da pessoa aumenta deverá ocorrer reações alérgicas mais graves, como anafilátic

    -COVID-19

    deve ser usado em pessoas com histórico de reações alérgicas graves a determinados componentes da vacina Além disso, a vacinação também deve ser realizada somente após a avaliação de um médico no caso de crianças menores de 16 anos, gestantes e mulheres amamentando.

    Pacientes que usarão imunosuppressantos ou doenças autoimunes também devem se vacinar somente na supervisão do médico.

    Testando Seu conhecimento

    Teste seus conhecimentos sobre a vacina COVID-19 e fique dentro da explicação de alguns dos mitos mais comuns:

    COVID-19 Vacina: teste seus conhecimentos!

    Iniciar o teste Iniciar o teste #quizthe teste Imagem ilustrativa do questionário Imagem ilustrativa da questãoA vacina foi desenvolvida muito rapidamente, etc. Pode ser seguro.

    • Verdade. A vacina foi desenvolvida muito rapidamente e ainda não conhece todos os efeitos colaterais.
    • Fake. A vacina foi desenvolvida rapidamente, mas foi submetida a vários testes rigorosos, que garantem a sua segurança.

    Imagem ilustrativa da questãoA vacina tem um alto risco de causar complicações graves como autismo ou esterilidade.

    • Verdade. Há vários relatos de pessoas que desenvolveram complicações graves após receberem a vacina.
    • Fake. Na maioria dos casos, a vacina causa apenas efeitos colaterais amenos, como dor no local da injeção, febre, fadiga e dor muscular, que desaparecem em poucos dias.

    Imagem ilustrativa da questãoquem já recebeu o COVID-19 também deve receber a vacina.

    • Verdade. A vacinação contra o COVID-19 deve ser feita por todas as pessoas, mesmo a partir das quais ela já está infectada.
    • Fake. Quem já tem COVID-19 está imune contra o vírus e não precisa obter a vacina.

    Imagem ilustrativa da questãoA vacina anual contra a gripe não protege contra o COVID-19.

    • Verdade. A vacina anual contra a gripe protege apenas o vírus do tipo vírus influenza.
    • Fake. A vacina contra a gripe protege de vários tipos de vírus, incluindo o novo vírus da coronação.

    Imagem ilustrativa da questãoQuem recebe a vacina não precisa mais ter outros cuidados, como lavar a mão ou usar uma máscara.

    • Verdade. Assim que a vacinação for realizada não há risco de captura de doença ou de transmissão de doença, nenhum cuidado adicional é tomado.
    • Fake. A proteção fornecida pela vacina dura poucos dias após a última dose. Além disso, a manutenção dos cuidados ajuda a prevenir a transmissão do vírus para outras pessoas que ainda não foram vacinadas.

    Imagem ilustrativa da questãoA vacina COVID-19 pode causar a infecção após a administração.

    • Verdade. Algumas vacinas COVID-19 contêm pequenos fragmentos do vírus que podem acabar desencadear a infecção, especialmente em pessoas com sistemas imunológicos enfraquecidos.
    • Fake. Até mesmo vacinas que usam porções do vírus usam um formulário inativado que é incapaz de causar qualquer tipo de infecção no corpo.

    Anterior Próximo