• dom. maio 22nd, 2022

Com Saber e Saúde

Dicas de Saude – dietas – regimes – alimentaçao

Agranulocitose: o que é, sintomas, causas e tratamento

Byadmin

ago 26, 2021
Agranulocitose: o que é, sintomas, causas e tratamento
Spread the love

A agranulocitose, também chamada de granulocitopenia, é uma alteração do sangue em que é identificada baixa quantidade ou ausência de granulócitos no sangue, que são também conhecidos por leucócitos granulosos, sendo eles os neutrófilos, basófilos e eosinófilos.

Os leucócitos granulócitos fazem parte da imunidade, sendo essenciais no combate a infecções. No entanto seus níveis podem estar diminuídos como consequência de infecções crônicas, uso de medicamentos, desnutrição ou exposição prolongada a medicamentos, o que aumenta o risco de infecções secundárias e leva ao aparecimento de sintomas, como febre, calafrios, cansaço excessivo, fraqueza muscular e lesões na boca, por exemplo. Conheça mais sobre os leucócitos.

Para confirmar a agranulocitose deve-se fazer um hemograma, em que é indicada a quantidade de neutrófilos, basófilos e eosinófilos circulantes, e um mielograma, em que é avaliado o funcionamento da medula óssea. Após o resultado, é importante que o tratamento seja iniciado rapidamente para evitar o desenvolvimento de infecções secundárias e complicações, podendo ser indicado pelo médico o uso de antimicrobianos, imunossupressores, estimulantes dos glóbulos brancos ou transfusão de leucócitos de acordo com a causa.

Sintomas de agranulocitose

A agranulocitose não leva ao desenvolvimento de sintomas, no entanto devido aos baixos níveis de células granulocíticas, a pessoa fica mais suscetível ao desenvolvimento de infecções, o que resulta no aparecimento dos sintomas, sendo os principais:

  • Dor de garganta;
  • Febre e calafrios;
  • Cansaço excessivo;
  • Infecção do trato urinário;
  • Desenvolvimento de lesões ulcerosas na boca e/ou na faringe, causando dificuldade para engolir;
  • Inflamação da gengiva;
  • Alteração dos batimentos cardíacos;
  • Fraqueza muscular.

Assim, na presença de sinais e sintomas indicativos de infecção, é importante que o médico seja consultado para que seja recomendada a realização de exame de sangue para investigar a agranulocitose.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico inicial da agranulocitose é feito pelo hematologista levando em consideração os sintomas apresentados pela pessoa e realização do hemograma, em que é avaliado o nível dos leucócitos granulócitos, que nesse caso está abaixo de 500 células por mm3 de sangue, podendo em alguns casos ser 0 células por mm3 de sangue.

Além disso, o médico pode indicar a realização de exames para investigar a causa da agranulocitose e descartar outras alterações, podendo ser recomendada a realização do mielograma, que tem como objetivo avaliar o funcionamento da medula óssea. No caso da agranulocitose, é possível observar no mielograma células da linhagem mieloide normocelulares com promielócitos com maturação interrompida. Entenda como é feito o mielograma.

Principais causas

A diminuição ou ausência de granulócitos circulantes pode acontecer como consequência de diversas situações, sendo as principais:

  • Uso prolongado de alguns medicamentos, como aspirina, clozapina, metamizol, dipirona, penicilina, cloranfenicol, analgésicos e naproxeno, por exemplo;
  • Doenças autoimunes, como artrite reumatoide e lúpus;
  • Anemia aplástica;
  • Desnutrição;
  • AIDS;
  • Alterações genéticas;
  • Exposição prolongada a toxinas, como mercúrio.

Além disso, a agranulocitose pode ser devido a infecções com sintomas mais crônicos, como é o caso da tuberculose, malária ou febre maculosa, por exemplo.

Como é feito o tratamento

O tratamento para agranulocitose deve ser recomendado pelo hematologista de acordo com os sintomas apresentados pela pessoa e causa da alteração. Assim, pode ser indicado pelo médico o uso de antimicrobianos, caso a agranulocitose seja causada por infecção, ou uso de medicamentos capazes de estimular o desenvolvimento dos glóbulos brancos, que são conhecidos como fatores estimulantes de colônias de granulócitos ou G-CSF.

Em alguns casos, o médico pode também recomendar a realização de transfusão de glóbulos brancos, na tentativa de regular os níveis dos granulócitos, ou o uso de medicamentos imunossupressores, quando a agranulocitose acontece devido a doenças autoimunes.

É importante que o tratamento seja feito assim que surgirem os primeiros sinais e sintomas e que seja seguido conforme a recomendação médica, pois dessa forma é possível prevenir complicações, como septicemia, necrose das lesões que podem ter sido formadas nas mucosas e problema nos rins, por exemplo.