• qui. set 23rd, 2021

Com Saber e Saúde

Dicas de Saude – dietas – regimes – alimentaçao

Vacina H1N1: quem pode tomar e principais reações adversas

Byadmin

set 8, 2021
Vacina H1N1: quem pode tomar e principais reações adversas

A vacina do H1N1 contém fragmentos do vírus influenza A, que é uma variante do vírus da gripe comum, estimulando a ação dos sistema imunológico para produzir anticorpos anti-H1N1, que atacam e matam o vírus, protegendo a pessoa contra a doença.

Esta vacina pode ser tomada por qualquer pessoa, mas alguns grupos específicos têm prioridade, como idosos, crianças ou pessoas com doenças crônicas, pois apresentam maior risco de complicações graves que podem colocar a vida em risco. Após tomar a vacina, é comum surgirem reações adversas como dor vermelhidão ou inchaço no local da injeção, que melhoram em alguns dias. 

A vacina H1N1 é disponibilizada pelo SUS gratuitamente para os grupos de risco, sendo administrada nos postos de saúde em campanhas de vacinação anuais. Para as pessoas que não pertencem aos grupos de risco, a vacina pode ser encontrada em clínicas particulares especializadas em vacinação. 

Quem pode tomar

A vacina do H1N1 pode ser tomada por qualquer pessoa, com mais de 6 meses de idade, para prevenir a infecção causada pelo vírus influenza A, que é o H1N1. 

No entanto, alguns grupos têm prioridade para tomar a vacina:

  • Profissionais da área de saúde; 
  • Mulheres grávidas em qualquer idade gestacional; 
  • Mulheres até 45 dias após o parto; 
  • Idosos a partir dos 60 anos; 
  • Professores; 
  • Pessoas com doenças crônicas como insuficiência renal ou hepática;
  • Pessoas com doenças pulmonares, como asma, bronquite ou enfisema;
  • Pessoas com doença cardiovascular;
  • Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medida socioeducativa; 
  • Presidiários e profissionais do sistema prisional; 
  • Crianças de seis meses a seis anos incompletos; 
  • População indígena. 

A proteção oferecida pela vacina H1N1 ocorre geralmente a partir de 2 a 3 semanas após a vacinação e pode durar de 6 a 12 meses, por isso, deve ser administrada todos os anos. 

Quem não pode tomar

A vacina do H1N1 não deve ser aplicada em pessoas que têm alergia ao ovo, pois a vacina  contém na sua preparação proteínas do ovo, que podem levar à reação alérgica grave ou choque anafilático. Por isso, as vacinas são sempre aplicadas em postos de saúde, hospitais ou clínicas que tenham equipamentos para atendimento imediato caso ocorra uma reação alérgica.

Além disso, esta vacina não deve ser tomada por crianças menores de 6 meses de idade, por pessoas com febre, infecção aguda, hemorragia ou problemas de coagulação, síndrome de Guillain-Barré ou nos casos em que o sistema imunológico está enfraquecido como em portadores do vírus HIV ou em tratamento do câncer.

Vacina H1N1: quem pode tomar e principais reações adversas

Principais reações adversas

As principais reações adversas em adultos que podem ocorrer após tomar a vacina do H1N1 são:

  • Dor, vermelhidão ou inchaço no local da injeção;
  • Dor de cabeça;
  • Febre;
  • Náuseas;
  • Tosse;
  • Irritação nos olhos;
  • Dor muscular. 

Geralmente, esses sintomas são passageiros e melhoram em alguns dias, no entanto, caso não melhorem, deve-se comunicar ao médico ou procurar um pronto-atendimento.

Em crianças, as reações adversas mais comuns, e que devem ser comunicadas ao pediatra que faz o acompanhamento regular da criança, são dor no local da injeção, irritabilidade, rinite, febre, tosse, perda do apetite, vômito, diarréia, dor muscular ou dor de garganta. 

Como saber se a vacina é segura

Todas as vacinas administradas na rede particular ou nos hospitais e postos de saúde pelo SUS são aprovadas pela Anvisa que possui um rigoroso controle da qualidade das vacinas e, por isso, são de confiança e protegem a pessoa de várias doenças.

A vacina do H1N1 é segura, mas só é eficaz se o sistema imunológico da pessoa produzir anticorpos anti-H1N1 suficientes para prevenir a infecção pelo vírus, por isso, é importante tomar a vacina anualmente, principalmente, pelas pessoas que pertencem ao grupo de risco para evitar complicações que podem ser fatais.