• ter. out 19th, 2021

Com Saber e Saúde

Dicas de Saude – dietas – regimes – alimentaçao

Diabetes insipidus: o que é, causas, sintomas e tratamento

Byadmin

set 7, 2021
Diabetes insipidus: o que é, causas, sintomas e tratamento

O diabetes insipidus é um distúrbio que ocorre por um desequilíbrio de líquidos no corpo, que leva a sintomas como muita sede, mesmo que se tenha bebido água, e produção excessiva de urina, o que pode causar desidratação. 

Esta condição ocorre por alterações em regiões no cérebro responsáveis pela produção, armazenamento e liberação do hormônio antidiurético (ADH), também chamado de vasopressina, que controla a velocidade em que a urina é produzida, mas também pode ocorrer por alterações nos rins que deixam de responder a esse hormônio.

O diabetes insipidus não tem cura, no entanto, os tratamentos, que devem ser indicados pelo médico, podem aliviar o excesso de sede e diminuir a produção de urina.

Principais sintomas

Os sintomas do diabetes insipidus são sede incontrolável, produção de grandes quantidades de urina, necessidade frequente de levantar para urinar durante a noite e preferência por beber líquidos frios. Além disso, ao longo do tempo, o consumo excessivo de líquidos provoca piora da sensibilidade ao hormônio ADH ou produção cada vez menor desse hormônio, o que pode piorar os sintomas.

Essa doença também pode ocorrer em bebês e crianças e por causa da produção excessiva de urina é importante estar atento aos sinais do diabetes insipidus como fraldas sempre molhadas ou a criança pode urinar na cama, dificuldade para dormir, febre, vômitos, prisão de ventre, atraso no crescimento e desenvolvimento ou perda de peso.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico do diabetes insipidus deve ser feito por um endocrinologista ou, no caso de bebês e crianças, um pediatra, que deve solicitar exame do volume de urina em 24 horas e exames de sangue para avaliar os níveis de sódio e potássio, que podem estar alterados. Além disso, o médico pode solicitar um teste de restrição de líquidos, em que a pessoa fica internada, sem ingerir líquidos e é monitorada para verificar sinais de desidratação, quantidade de urina produzida e os níveis hormonais. Outro exame que o médico pode solicitar é uma ressonância magnética do cérebro para avaliar alterações do cérebro que podem estar desencadeando a doença.

Possíveis causas

As causas do diabetes insipidus dependem do tipo da doença e pode ser classificada como:

1. Diabetes insipidus central

O diabetes insipidus central é causado por alterações na região do cérebro chamada hipotálamo, que perde a capacidade de produzir o hormônio ADH, ou da glândula hipófise responsável por armazenar e liberar o ADH para o corpo e pode ser causado por:

  • Cirurgias no cérebro;
  • Traumatismo craniano;
  • Tumor ou aneurisma cerebral;
  • Doenças auto-imunes;
  • Doenças genéticas;
  • Infecções no cérebro;
  • Obstrução dos vasos sanguíneos que irrigam o cérebro.

Quando os níveis do hormônio ADH encontram-se diminuídos, os rins não conseguem controlar a produção de urina, que passa a ser formada em grande quantidade, por isso a pessoa urina muito, o que pode chegar a mais de 3 a 30 litros por dia.

Diabetes insipidus: o que é, causas, sintomas e tratamento

2. Diabetes insipidus nefrogênico

O diabetes insipidus nefrogênico ocorre quando a concentração de hormônio ADH no sangue está normal, mas os rins não respondem normalmente a ele. As principais causas são:

  • Uso de medicamentos, como lítio, rifampicina, gentamicina ou contrastes de exames, por exemplo;
  • Doença policística dos rins;
  • Infecções graves dos rins;
  • Alterações dos níveis de potássio no sangue;
  • Doenças como anemia falciforme, mieloma múltiplo, amiloidose, sarcoidose, por exemplo;
  • Pós-transplante renal;
  • Câncer do rim;
  • Causas não esclarecidas ou idiopáticas.

Além disso, existem causas genéticas para o diabetes insipidus nefrogênico, que são mais raras e mais graves, e se manifestam desde a infância.

3. Diabetes insipidus gestacional

O diabetes insipidus gestacional é uma condição rara, mas que pode acontecer por volta do terceiro trimestre da gestação devido a produção de uma enzima pela placenta, que destrói o hormônio ADH da mulher, levando ao aparecimento dos sintomas. 

No entanto, é uma doença que ocorre apenas durante a gravidez, normalizando em torno de 4 a 6 semanas após o parto.

4. Diabetes insipidus dipsogênico

O diabetes insipidus dipsogênico, também chamado de polidipsia primária, pode ocorrer por danos no mecanismo de regulação da sede no hipotálamo, levando ao aparecimento dos sintomas comuns do diabetes insipidus. Este tipo de diabetes também pode estar relacionado com doenças mentais, como a esquizofrenia, por exemplo.

Diabetes insipidus: o que é, causas, sintomas e tratamento

Como é feito o tratamento

O tratamento para o diabetes insipidus tem como objetivo reduzir a quantidade de urina que o corpo produz e deve ser indicado pelo médico de acordo com a causa da doença.

Nos casos em que o diabetes insipidus tenha sido causado pelo uso de certos medicamentos, o médico pode recomendar suspender o uso e trocar por outro tipo de tratamento. Já nos casos de doenças mentais, o tratamento deve ser realizado por um psiquiatra com medicamentos específicos para cada caso, ou se o diabetes insipidus tenha sido causado por uma infecção, por exemplo, deve-se tratar a infecção antes de iniciar um tratamento específico.

De forma geral, os tipos de tratamento dependem da gravidade da doença e do tipo de diabetes insipidus, e podem ser feitos com:

1. Controle da ingestão de líquidos

Nos casos leves de diabetes insipidus central, o médico pode recomendar somente controlar a quantidade de líquidos ingeridos, sendo recomendado beber pelo menos 2,5 litros de líquidos por dia para evitar desidratação.

O diabetes insipidus central é considerado leve se a pessoa produzir somente de 3 a 4 litros de urina em 24 horas.

2. Hormônio

Nos casos mais graves de diabetes insipidus central ou diabetes insipidus gestacional, o médico pode recomendar a reposição do hormônio ADH, através da medicação desmopressina ou DDAVP, que pode ser administrada pela veia, por via oral ou por via inalatória.

A desmopressina é um hormônio mais potente e mais resistente à degradação do que o ADH produzido naturalmente pelo corpo e funciona exatamente como o ADH natural, impedindo que os rins produzam urina quando o nível de água no corpo está baixo.

Diabetes insipidus: o que é, causas, sintomas e tratamento

3. Diuréticos

Os diuréticos podem ser usados, especialmente nos casos graves de diabetes insipidus nefrogênico, sendo que o diurético mais recomendado pelo médico é a hidroclorotiazida que age reduzindo a taxa de filtragem do sangue pelos rins, o que diminui a quantidade de urina excretada pelo corpo.

Além disso, o médico deve recomendar uma dieta pobre em sal para ajudar a reduzir a quantidade de urina que os rins produzem e beber pelo menos 2,5 litros de água por dia para evitar a desidratação.

4. Anti-inflamatórios

Os anti-inflamatórios, como o ibuprofeno, podem ser indicados pelo médico nos casos do diabetes insipidus nefrogênico, pois ajudam a reduzir o volume da urina e devem ser usados ​​em combinação com os diuréticos.

No entanto, o uso dos anti-inflamatórios por muito tempo, pode causar irritação no estômago ou aparecimento de úlcera estomacal. Neste caso, o médico pode recomendar um remédio para proteger o estômago como omeprazol ou esomeprazol, por exemplo.

Possíveis complicações

As complicações que o diabetes insipidus pode causar são desidratação ou desequilíbrio de eletrólitos no corpo como o sódio, potássio, cálcio e magnésio, devido a grande perda de líquidos e eletrólitos pelo corpo através da urina, podendo causar sintomas como:

  • Boca seca;
  • Dor de cabeça; 
  • Tontura;
  • Confusão ou irritabilidade;
  • cansaço excessivo; 
  • dor ou cãibras musculares;
  • Náuseas ou vômitos;
  • Perda do apetite.

No caso de apresentar um desses sintomas, deve-se procurar ajuda médica imediatamente ou o pronto-socorro mais próximo.

Qual a diferença entre diabetes insipidus e mellitus?

O diabetes insipidus é diferente do diabetes mellitus, pois os hormônios que sofrem alteração desses dois tipos de diabetes são diferentes.

No diabetes insipidus ocorre alteração no hormônio ADH que controla a quantidade de urina que a pessoa produz. Já no diabetes mellitus ocorre um aumento dos níveis de glicose no sangue por baixa produção de insulina pelo corpo ou por uma resistência do corpo em responder à insulina. Confira outros tipos de diabetes.