• sáb. set 25th, 2021

Com Saber e Saúde

Dicas de Saude – dietas – regimes – alimentaçao

Tendinite no ombro: o que é, sintomas, causas e tratamento

Byadmin

ago 25, 2021
Tendinite no ombro: o que é, sintomas, causas e tratamento

A tendinite no ombro é uma inflamação que surge em algum tendão do ombro e que pode resultar em sintomas como dor, formigamento e dificuldade para levantar o braço acima da cabeça.

Este tipo de problema é mais comum em pessoas que fazem algum tipo de atividade com movimentos repetidos do braço, como nadar ou pintar, por exemplo, mas pode surgir em qualquer pessoa.

Na presença de sintomas indicativos de tendinite no ombro, é recomendado que a pessoa consulte um ortopedista ou fisioterapeuta para que seja feita uma avaliação e possa ser iniciado o tratamento mais adequado, que pode envolver o uso de medicamentos, fisioterapia e, nos casos mais graves, cirurgia.

Tendinite no ombro: o que é, sintomas, causas e tratamento

Principais sintomas

Os sintomas de tendinite no ombro surgem à medida que o tendão fica inflamado devido à realização de movimentos repetitivos e tende a piorar à noite devido ao estiramento dos músculos ao dormir.

Os sintomas podem incluir:

  • Dor localizada intensa no ombro que pode surgir de repente;
  • Dificuldade para levantar o braço, acima da linha dos ombros;
  • Sensação de que a dor se espalhou por todo o braço;
  • Formigamento no ombro, em alguns casos. 

Na presença desses sintomas, é importante que o ortopedista ou fisioterapeuta sejam consultados para que possa ser feita uma avaliação e ser indicado o tratamento mais adequado para diminuir a inflamação e aliviar os sintomas.

Possíveis causas

As causas mais comuns de tendinite do ombro são o esforço intenso e repetitivo com o braço ou até mesmo permanecer por longos períodos numa má postura, como dormir a noite toda de bruços, com a cabeça apoiada sobre o braço, já que essa posição faz com que os tendões do ombro fiquem mais estirados.

Além disso, o tendão pode ficar inflamado e lesionado devido ao uso excessivo dos braços em elevação, o que pode acontecer devido à prática de atividades físicas ou profissionais, com natação, vôlei, no tênis e em profissões como nos carpinteiros, professores e pintores, que são os profissionais que mais comumente sofrem com este tipo de tendinite. 

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da tendinite do ombro deve ser feito pelo ortopedista ou fisioterapeuta inicialmente através da avaliação dos sintomas apresentados pela pessoa e da realização de exames físicos. Além disso, em alguns casos, pode ser indicado também que seja realizado exame de imagem para identificar a fase em que a tendinite se encontra, sendo elas:

  • Fase 1: Dor aguda, pequeno sangramento dentro da articulação e inchaço. Os sintomas pioram ao realizar movimentos com os braços e melhoram com o repouso, e geralmente afeta mais pessoas jovens;
  • Fase 2: A dor permanece constante e a ultrassonografia evidencia fibrose com espessamento da bursa subacromial e tendinite do manguito rotador ou bíceps braquial, e geralmente ocorre entre 25 e 40 anos;
  • Fase 3: Ruptura parcial ou total do manguito rotador ou bíceps braquial, sendo mais comum após os 40 anos. 

Assim, a partir do momento que é verificada a fase da tendinite no ombro, o médico ou o fisioterapeuta podem dar início ao tratamento mais adequado, sendo importante em todas as situações que a pessoa evite movimentar o ombro inflamado durante um período pré-determinado para que seja possível recuperar mais rápido.

Tendinite no ombro: o que é, sintomas, causas e tratamento

Como é feito o tratamento

O tratamento para tendinite no ombro tem como objetivo diminuir a inflamação do tendão do ombro, aliviando os sintomas e permitindo que a pessoa consiga fazer as atividades do dia a dia sem dor, além de prevenir o rompimento do tendão. O tratamento recomendado pode variar de acordo com a fase da tendinite e sintomas apresentados, podendo ser indicado o uso de remédios, realização de fisioterapia ou cirurgia, nos casos mais graves.

1. Remédios

O uso de remédios pode ser indicado pelo ortopedista para ajudar a aliviar a dor e a inflamação, sendo indicado para isso o uso de remédios anti-inflamatórios. Além disso, pode também ser indicado o uso de uma pomada anti-inflamatória que deve ser aplicada com todo o ombro.

Nos casos mais graves, quando mesmo após iniciar a fisioterapia não se obtém grande melhora do quadro de dor, o médico pode indicar uma injeção de corticoide diretamente no ombro, que tem ação analgésica e anti-inflamatória mais forte. 

Veja alguns exemplos de remédios caseiros que podem auxiliar na cura da tendinite. 

2. Fisioterapia

A fisioterapia é importante no tratamento da tendinite no ombro, isso porque ajuda a diminuir a inflamação e promove o fortalecimento da articulação, ajudando a aliviar os sintomas. Assim, de acordo com as características da tendinite, o fisioterapeuta pode realizar algumas técnicas como TENS, ultrassom e laser, além de exercícios que ajudam a aumentar a amplitude dos movimentos e a fortalecer o ombro.

O tempo de recuperação pode variar de pessoa para pessoa, porém, de forma geral, é normalmente necessários 3 meses de tratamento de fisioterapia para que seja possível realizar os movimentos sem qualquer dor ou desconforto.

Veja no vídeo a seguir algumas opções de exercícios que ajudam a aliviar a dor causada pela tendinite:

Imagem representativa do vídeo

3. Cirurgia 

A cirurgia para tendinite no ombro é indicada quando após 6 meses à 1 ano de tratamento conservador, com remédios e fisioterapia, não são suficientes para restabelecer os movimentos, de forma satisfatória. A cirurgia também é indicada quando há ruptura do tendão, dor e importante fraqueza muscular, mas em muitos casos a ruptura do tendão em pessoas com mais de 60 anos também pode ser tratada somente com remédios e fisioterapia, e por isso cabe ao médico essa decisão. 

Quanto tempo dura a recuperação

O tempo de recuperação varia muito de uma pessoa para outra, pois a gravidade da tendinite, a idade da pessoa e a adesão ao tratamento devem ser levadas em consideração. Porém, em média, podem ser necessários pelo menos 3 meses de tratamento para recuperação da mobilidade.